Perigo em casa: violência contra mulheres pode crescer durante pandemia da Covid-19

Nossas casas deveriam ser os lugares mais seguro neste período de isolamento social contra a Covid-19, não é mesmo? Mas não é o que acontece quando a violência também pode estar confinada no mesmo lugar em que a gente mora. O crescimento das denúncias de violência doméstica contra meninas e mulheres no Brasil durante a pandemia preocupa e mais uma vez chama atenção para cuidarmos desse assunto com mais seriedade e atenção.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) informou que aumentou em 9% no número de ligações para a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, o Ligue 180. “A média diária entre os dias 1 e 16 de março foi de 3.045 ligações recebidas e 829 denúncias registradas, contra 3.303 ligações recebidas e 978 denúncias registradas entre 17 e 25 em março”, afirmou a ouvidoria do MMFDH. Isso significa mais agressões e resulta em maior risco de feminicídios.

O desgaste na convivência, muitas vezes somado pelo estresse, junto com toda estrutura do machismo, influencia no aumento da violência, afirma Bruna Pereira, doutora em sociologia e especialista em gênero e raça. “Como as relações de gênero são desiguais, há uma tendência de agressão de homens contra as mulheres, mas nenhuma situação de violência pode ser legitimada por isso”, afirma a especialista. 

Natália Maria, antropóloga, pesquisadora e ativista em temas de saúde, direitos, bioética e acessibilidade explica que em uma sociedade com grandes exclusão sociais, as casas são marcadas por várias faltas sociais profundas. “Na lógica de confinamento, sabendo que muitas pessoas não entram nela, infelizmente teremos lares que são marcados pela desigualdade e violência de gênero”. 

CENÁRIO PERIGOSO

Os impactos infelizes da violência sobre a saúde física, sexual, reprodutiva e mental das mulheres segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS):

  • Vítimas que sofrem abuso físico ou sexual têm duas vezes mais chances de fazer um aborto, e a experiência quase dobra sua probabilidade de cair em depressão;
  • Em algumas regiões, elas têm 1,5 vez mais chances de adquirir HIV, e existem evidências de que mulheres agredidas sexualmente têm 2,3 vezes mais chances de ter distúrbios com álcool;
  • Mais de 87 mil mulheres foram intencionalmente assassinadas em 2017 e mais da metade foi morta por parceiros íntimos e familiares;  

“Se antes as mulheres podiam sair e ir pra casa da vizinha quando a tensão aumentava, agora elas estão obrigadas a ficar em casa e isso tende a gerar maior desgaste”, diz a socióloga Bruna. 

O isolamento é utilizado por agressores como uma maneira de controle psicológico, para ampliar e manter o poder deles sobre elas, explica Bruna. Com o menor contato da vítima com seus amigos e familiares, reduz as possibilidades dessa mulher a se defender, sair de uma situação de violência, criar uma rede de apoio e buscar ajuda.

Denunciar. Este é o primeiro passo sobre qualquer suspeita ou confirmação de violência, tanto as mulheres vítimas quanto testemunhas possuem essa opção, ok? É importante meter a colher sim em qualquer situação que vida e dignidade das mulheres correm perigo.

Conversando com Bruna, que estuda sobre violência doméstica, ela orientou algumas medidas a serem tomadas e também temos algumas guias:

  • Quando a violência estiver acontecendo, é fundamental acionar a polícia no número 190; Agir no momento de conflito pode salvar a vida de uma mulher, mas cuidado também para não se expor, as denúncias podem ser anônimas;
  • Quando a mulher tem acesso ao telefone, com espaço para usar o telefone longe do agressor, existe a possibilidade de ligar para o 180, que fornece orientações e encaminha a situação para a polícia, mas essa não é uma ação imediata. 
  • Procurar de preferência as delegacias de atendimento especial às mulheres para atendimento especializado. A nomenclatura pode mudar de estado para estados, porém todas recebem estas denúncias.
  • Em alguns Estados a Defensoria Pública disponibilizou números de Whatsapp a disposição para pedir medidas protetivas ou ações relacionadas;
  • Alguns estados possuem a patrulha da Lei Maria da Penha funcionando. No Rio de Janeiro, por exemplo, está vigente o regime de plantão judiciário. 
  • Existem também os aplicativos e sites de combate a violência de gênero. Não servem para fazer direto uma denúncia, mas informam, criam redes de proteção para agir. 
  • O app PenhaS que dá informações sobre delegacias, permite que as mulheres conversem de maneira anônima com pessoas que poderão ajudá-las. E também possui uma função de gravar sons para criar provas, além de uma função de pânico para acionar contatos de confiança para urgências.
  • Outro app é o Mete a colher, que fornece apoio psicológico e jurídico para vítimas. 
  • Mulheres que vivem em comunidades podem criar códigos de aviso na vizinhança entre mulheres e homens ou lideranças locais para denunciar e constranger agressões; 
  • O coletivo Todas Fridas desenvolveram com a SaferNet o projeto Todas Acolhem, que ajuda a reconhecer, denunciar, apoiar as vítimas e buscar ajuda.
  • Recentemente o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos também anunciou o app Direitos Humanos Brasil para denúncias diretas contra violências.  

“Todos os tipos de violência precisam ser comunicados, explicados para as mulheres e homens”, orienta a sociologa Bruna. E ela insiste: é fundamental uma ação de educação nesse sentido e também de investimento em equipamentos públicos de apoio às mulheres. 

Fontes: https://nacoesunidas.org/chefe-da-onu-alerta-para-aumento-da-violencia-domestica-em-meio-a-pandemia-do-coronavirus/

https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820

É conversando que a gente se respeita

“Quantas pessoas trans tem aqui?”. Agrippina Candido, artista, professora e travesti lança a pergunta para a roda de conversa,  conduzida pela atriz Juliana Alves e promovida pela campanha Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro. O questionamento, na real, é para toda a sociedade que deve fazer reflexões que levem ao respeito à diversidade e às causas da população LGBTQI+.

Precisamos enfrentar os preconceitos em todas as esferas, sobretudo as básicas, como cuidados com a saúde das mulheres, de todas as mulheres. Essa é a letra dada pela poeta Letícia Brito. Profissionais da área devem investir em saberes que englobam ciência e ampliar conhecimentos sobre direitos humanos. Nenhuma mulher deveria ser atendida de maneira discriminatória. No consultório ginecológico, por exemplo, será que todas se sentem amparadas e atendidas em suas demandas?

“Até que pontos essas violências não interferem na nossa autoestima e no nosso poder de decisão?”, pergunta a atriz Juliana Alves. A resposta leva a vários lugares, a começar pelo ambiente doméstico. A cantora Dona Karol recorda de um episódio que envolveu sua mãe e muitas mulheres não conseguem romper o ciclo da violência. Elas devem ser apoiadas não julgadas. Há vários motivos pelos quais essas mulheres seguem com parceiros, como o sustento dos filhos e delas próprias.

O exercício do diálogo e da escuta é transformador. O entendimento dos nossos direitos e as possibilidades das nossas escolham passam pela informação. Ela é a chave para a transformação que queremos. Dona Lanor, também do grupo Donas, espera que esses debates sobre preconceito e violência cheguem às jovens mulheres, presencialmente ou via internet, em ambientes de maior vulnerabilidade, como as favelas, comunidades e periferias. Dê o play no vídeo, reúna as amigas, apoie todas as mulheres! Vamos juntas!

Em caso de violência, a quem devo recorrer?

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180 – Serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato). O canal é oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas desde 2005.

Delegacia da Mulher – Concentram-se principalmente em grandes cidades, mas vale a pena se informar se há unidades em seu município.

Centros de Referência e/ou Cidadania – Em muitos municípios há centros de referência que atendem mulheres em situação de violência. Algumas têm acolhimento especialmente desenvolvido para mulheres trans. Os nomes dos equipamentos podem variar de acordo com o localidade. Procure saber como é onde você mora.