Tirando de letra o cuidado com o corpo

O consultório ginecológico é um ambiente onde você se sente amparada e segura ou rola uma apreensão diante da dinâmica da consulta? Se a segunda opção está mais próxima do que você imagina ou do que já passou, se liga na troca de ideias que tivemos.

A ginecologista, obstetra e sexóloga Fátima Duarte acredita que é preciso entender o quanto cada corpo é único. Desde o tamanho de um seio em comparação ao outro, aos pêlos pelo corpo e até em relação ao ciclo menstrual: há um caminho que precisa passar por informação, por diálogo, pelo respeito aos direitos sexuais e reprodutivos. “Precisamos democratizar conhecimentos de maneira multidisciplinar. Isso deve envolver uma série de profissionais. Todas as pessoas precisam se abrir para essa construção, para enxergar a mulher como um todo”, diz a médica, que há sete anos está à frente do projeto Sábado Sem Barreiras, dedicado à saúde de mulheres com deficiência.

Nessa jornada de se conhecer e de fazer as próprias escolhas, a estudante de pedagogia Mileni Natalie conta como prefere ser atendida: “No meu caso, me sinto 100% confortável me consultando com uma médica mulher, não desmerecendo os médicos do gênero masculino, mas me sinto segura”. Outro ponto importante para ela é poder estabelecer um diálogo sobre sua própria sexualidade. “Sempre deixei claro que só me relacionava com mulheres. Acredito que as mulheres estão se sentindo mais confortáveis para falar da sua sexualidade.”

A obstetriz e ativista pela educação sexual Lucila Pougy realiza há dois anos a oficina sobre o tema Meu Corpo No Papel, voltada para jovens do ensino médio de escolas públicas de São Paulo, e concorda com Mileni. “Acho que é uma geração mais aberta, mais fluida, que se sente estimulada ao conhecimento e que interage bastante. Recentemente, dei uma atividade num grupo onde havia uma menina trans, que era curiosa, participativa e, principalmente super acolhida pelos colegas. O que sinto que ainda há muitas dúvidas, não apenas das jovens quanto das mulheres experientes. Por isso, é muito importante que a gente converse abertamente, reflita e pratique uma rotina de cuidados”, conta.

Desafios
“Acredito que é fundamental um olhar cuidadoso no atendimento clínico protetivo, seja ele de rotina ginecológica ou um pré-natal”, sugere Julieta Jacob, mestra em Direitos Humanos pela UFPE e autora do livro Tuca e Juba – Prevenção de Violência Sexual Para Adolescentes. Ela lembra que as diversas necessidades e particularidades das mulheres devem ser atendidas sem julgamentos.

Um ponto importante é visibilizar as pessoas trans que procuram ginecologistas tanto pela saúde quanto pela construção do universo simbólico em que estão inseridas. O profissional médico precisa saber como fazer perguntas de maneira que se estabeleça a confiança. “A abordagem heteronormativa e cisgênera é autoritária. Eu acho importantíssima a construção de uma ginecologia mais atenta, que olhe para pacientes como um todo”, acrescenta Fátima Duarte.

Tamo junta

Alyne Ewelyn Santos é bióloga, grafiteira e militante movimento LGBQTI

Há também uma série de ferramentas que podem ser acessadas para se chegar a um consultório médico sem tantas inseguranças: rodas de conversa, redes de apoio e aulas interdisciplinares sobre corpo e sexualidade. Alyne Ewelyn Santos é bióloga, grafiteira e militante movimento LGBQTI. Participa da Liga Brasileira de Lésbicas e Bissexuais, do grupo Bisibilidade e de coletivos negros no Rio de Janeiro. “Discutir os direitos sexuais e reprodutivos é essencial, especialmente para mulheres negras”, afirma.

Alyne ressalta que a combinação de um bom atendimento com informação e autonomia podem ajudar a mudar uma realidade no Brasil: a gravidez não intencional na adolescência. Ela pode ser evitada com a orientação de ginecologistas e de outros atores que fortalecem a rede de atendimento aos jovens.

O que é um corpo saudável e como cuidar dele?

A ideia de um corpo saudável é, geralmente, associada à imagem de um corpo que está dentro de (rígidos) padrões estéticos. Mas a saúde da mulher acaba sofrendo com essas determinações. O ideal é chegar a um equilíbrio entre saúde e bem-estar com o próprio corpo.

 

Quantas vezes você já se pegou em frente ao espelho, após o banho, antes de se vestir e saiu questionando a beleza do seu corpo? O processo é o mesmo: olha aqui, puxa ali, amassa o quadril de um lado, aperta a cintura de outro, como se estivesse moldando a própria silhueta com as mãos: “meus seios poderiam ser mais em pé”, “preciso malhar mais um pouquinho…”.

Essa rotina pode ser bem comum. Mulheres vivenciam pressões sociais que as fazem ter relações muito rígidas com próprio corpo: é difícil encontrar uma mulher que não queira perder dois ou três quilos.  E esse diálogo interno de exigência estética pode afetar a noção de saúde que se tem com o próprio organismo.

O que acontece com muitas mulheres, por sofrerem essa pressão estética, é a falsa noção de que, ao se aproximarem desse ideal de beleza acharem que seu corpo está saudável. No entanto, é muito importante ressaltar: um corpo adequado a um padrão de beleza não é necessariamente um corpo saudável.

Como saber, então, se a saúde do corpo está em dia? Quais hábitos devem ser cultivados em frente ao espelho e intimamente – muito além do estica-e-puxa diário a fim de resgatar a beleza interior e não ter que se encaixar em um padrão? 

 

O que é um corpo saudável?

A saúde do corpo está intimamente ligada ao autocuidado. E isso quer dizer um pouco mais do que estar à vontade com o próprio corpo. Para manter a saúde do seu corpo, antes de tudo, você deve conhecê-lo. E isso vai além de olhar o corpo no espelho para ver se ele agrada esteticamente.

Para que a sua saúde esteja em dia, todos os seus órgãos internos do seu corpo devem funcionar propriamente, sem doenças que possam acometê-lo. No caso da mulher, algumas áreas do corpo devem receber atenção especial: os seios, o útero e os ovários, por exemplo. Se você não tem plena consciência do seu funcionamento saudável, consegue perceber facilmente os sinais caso estejam precisando de mais cuidados. A saúde do corpo feminino passa por investigar o aparelho reprodutor por ele ser não aparente. No artigo Aparelho Reprodutor Feminino: você conhece o seu? você consegue ter uma noção bem clara sobre isso. 

 

Sabe a máxima “Corpo são, mente sã”? Pois é: um depende do outro. Conheça os limites do seu corpo, a forma que ele tem e respeite-o. Ao conhecer o seu histórico de saúde, aderir a exames de rotina e aceitar as suas próprias características, você começa uma nova relação mais saudável com a sua própria imagem e com o seu corpo. 

Ao aprimorar seu autocuidado, fica mais fácil de acompanhar as transformações e observar quando há algo de errado, como prevenir-se de doenças de todos os tipos, mesmo aquelas que têm tratamento de longo prazo como cânceres de mama e de colo do útero, por exemplo.

 

Como cuidar da saúde do seu corpo da mulher?

Seu corpo dá sinais. E você precisa ficar atenta para percebê-los, até mesmo para saber relatar o que está acontecendo com você a um profissional, que é quem vai cuidar da sua saúde com mais detalhes.

Como cuidar dos seios:

Os seios são a parte do corpo da mulher que desenvolve-se durante a puberdade, que ficam mais evidentes na silhueta. As mamas, muito mais do que uma área em que a maioria das mulheres identificam como zona de prazer, são também um local de desenvolvimento de diversas doenças, se não cuidadas e tratadas.

Muitas mulheres relatam dores nos seios, em momentos diferentes da vida. Chamadas de mastalgia, essas dores podem ser, ou não,  sintoma de alguma doença. Durante a puberdade, são comuns e alguns corpos podem reagir bem com uma simples aplicação de água morna e uso de um sutiã com boa sustentação. Dores constantes devem ser sempre relatadas a um profissional de saúde.  

Os hormônios podem ser grandes causadores da mastalgia: durante a menstruação e gravidez, as mamas podem doer bastante – no primeiro caso a pílula anticoncepcional pode ajudar (um médico deve ser sempre consultado), e no segundo caso, banhos com água morna podem aliviar. No caso de dores durante o uso de anticoncepcionais, seu médico deve ser avisado imediatamente (pois pode indicar uma reação ao remédio). 

Raramente cânceres causam dores nos seios, mas é muito importante ficar atenta a outros sinais como secreções saindo pelo mamilo e depressões na mama, que podem indicar inflamações na mama. É muito importante que você faça o autoexame e vá ao ginecologista para fazer check-ups

Tocar diariamente nas mamas durante o banho e observá-las é uma maneira eficaz de prevenir doenças como câncer, pois você passa a conhecer o formato da mama através do toque. Estudos apontam exercícios físicos ajudam na prevenção  também. Evitar álcool, beber bastante água e ter uma boa alimentação, além de conhecer os antecedentes familiares sobre câncer também ajudam na prevenção.

 

Como cuidar do útero

Antes de tudo, o útero é um órgão interno, ou seja, assim como os ovários, por não estarem expostos, tratam-se de uma área mais delicada à detecção de qualquer alteração. Por isso, é muito importante estar atenta a sintomas.

O útero é o órgão que recebe o óvulo fecundado em caso de gravidez e é onde, também, fica o endométrio, um tecido que recebe o óvulo – é a descamação do endométrio que faz você menstruar. O câncer do colo do útero é o terceiro tipo de câncer com maior taxa de mortalidade no Brasil. A incidência está associada ao HPV, uma IST que acomete a grande maioria das mulheres sexualmente ativas no país.

Proteja-se, sempre! A proteção com contraceptivo de barreira (camisinha) durante as relações sexuais é, muitas vezes, vital. E optar por proteger-se demonstra o quanto você se preocupa consigo mesma e com a saúde do seu corpo.

 

Saiba mais sobre como ISTs podem afetar a saúde do seu corpo no artigo Aparelho Reprodutor Feminino: como protegê-lo das Infecções Sexualmente Transmissíveis.

 

Como cuidar dos ovários

Os ovários são glândulas onde são produzidos os óvulos, que, quando fecundados por um espermatozóide, dá início ao processo de gravidez. A saúde dos ovários  – ou a falta dela – está ligada a hábitos e características do organismo.

O câncer dos ovários está relacionada a fatores hereditários, obesidade e até ao consumo de contraceptivos orais – por isso todo o processo de administração deste medicamento deve ser acompanhado por uma ginecologista.

 

Saiba mais sobre a consulta ginecológica no artigo Chegou a hora da consulta ginecológica, e agora?

 

Corpo bonito é corpo com saúde


Saiba que a beleza do corpo, o padrão estético que o corpo feminino segue é muito subjetivo: a barriga negativa, a quantidade de gordura corporal, a magreza, entre outros aspectos que respondem somente a imagem que você vê no espelho, não devem ser o seu guia para cuidar da saúde do seu corpo. 

Mantenha hábitos saudáveis como alimentar-se adequadamente, fazer exercícios físicos regulares  e, para a saúde do aparelho reprodutor, ir sempre ao ginecologista. Observe seu corpo e as suas reações, muito além da estética e da beleza-padrão que foi estabelecida.

Um corpo bonito é um corpo que está cheio de saúde apto a ser uma ferramenta de sociabilização, prazer, e relacionamento saudável. 

Conheça e preserve seu corpo. Ajude outras mulheres a fazerem o mesmo: compartilhe essas informações com suas amigas, irmãs, mães, tias, primas. Saúde do corpo da mulher: #ElaDecide