Assédio não é elogio

Seja em casa, no trabalho, escola, faculdade, na rua, no transporte público ou na internet, o assédio sexual insiste em marcar presença. Infelizmente, da infância e adolescência à vida adulta, as mulheres são perseguidas pelo fiu-fiu e por comportamentos abusivos e constrangedores o tempo todo. É preciso estar atenta mana, isso é violência. É assédio. 

As mulheres mais jovens são as que mais sofrem assédio. Das manas com idade entre 16 e 24 anos, 66,1% afirmaram já terem sofrido algum tipo de situação indesejada de característica sexual em 2019. Esses dados são da pesquisa “Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil” do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e do Instituto Datafolha.

É nítida a diferença entre elogio e assédio. “Se uma pessoa está andando na rua e ouve um assovio ou um “ô, gostosa!”,  isso não é elogio” diz Keka Bagno, feminista negra, assistente social e mestra em políticas públicas pela Universidade de Brasília (UnB). Keka, que atua no enfrentamento à violência sexual contra crianças, adolescentes e mulheres, conta que é fundamental analisar toda e qualquer situação de incômodo.  Ela orienta  algumas perguntas a serem feitas para diferenciar assédio de elogio. É preciso sempre refletir:

  • Esse elogio foi prazeroso?
  • Qual é o tom do elogio que você está recebendo?
  • É sempre no sentido sexual?
  • Qual sentimento causou?
  • É de fato um elogio? 
  • Você se sentiu assediada?

Segundo Keka, se o que você ouviu consegue enaltecer de outras formas, não te agredindo e não falando só do seu corpo, talvez a fala possa ser realmente um elogio, mas é preciso estar ligada. Só quem pode dizer o que é ou não elogio é a mulher que recebeu o comentário, diz a assistente social. 

 “Os homens acreditam que é um direito deles avaliar as mulheres física e moralmente”, complementa Valeska Maria Zanello, professora e especialista sobre assédio contra as mulheres pela Universidade de Brasília (UnB). “A lógica que é problemática. A gente vê a evidência disso quando o elogio inverso não acontece. E não quer dizer que as mulheres não julgam, não pensem, não desejem”, explica a professora. “Saber quando se tem uma abertura e o mínimo de intimidade para um elogio são pontos importantes, mas os homens não pensam nisso”, diz. 

Sinais de assédio O assédio sexual não está somente na forma física, mas também na forma verbal e pode causar danos psicológicos. Conforme explicou Keka Bagno, se traz o sentimento de vergonha e culpa sobre seu próprio corpo, é sinal que o assédio  está acontecendo.  Ela também explicou como identificar o assédio:
  • Tudo que desrespeita seu corpo ou a sua moral;
  • Falas ou comportamentos que sexualizem seu corpo por alguém que você não conheça (ou mesmo que conheça, mas que venha de maneira invasiva);
  • Tudo que causa incômodo. Que Faz você se sentir invadida.

Manas negras são mais assediadas 

É importante também falar sobre quais são as mulheres que mais são assediadas. 

Valeska Zanello e Keka Bagno afirmam que as manas negras são historicamente tratadas como objetos sexuais. Além do machismo, o racismo também se apresenta forte na estrutura desse conjunto de violências contra a mulher. 

A pesquisa Visível e Invisível, sobre violência de gênero, observou que as mulheres que se autodeclararam pretas afirmaram ter sofrido mais assédio (40,5%) em comparação com as mulheres brancas (34,9%). Essa diferença é um pouco menor em relação ao que foi reportado na pesquisa de 2017, quando essa proporção foi de 47,5% contra 34,9%, respectivamente, mas ainda assim mostrando para maior vulnerabilidade das mulheres negras aos eventos de assédio.

Garotas, é muito importante estarem atentas contra qualquer tentativa de perseguição, insistência,  sugestão ou pretensão que desrespeite o seu corpo ou o de outra pessoa. O assédio sexual não é paquera, muito menos elogio.

O que fazer em uma situação de assédio?
  • Ouvir e entender a vítima, escuta ativa sem nenhuma lógica de culpá-la;
  • Não achar que é “mimimi”;
  • Procurar serviços públicos que possam atender a vítima da melhor maneira possível (centros de atendimento a mulheres, delegacias, Polícia Militar, Centro de assistência social e centros de saúde que também tem políticas de atendimento para as mulheres)
  • Sempre denúnciar quando você for violentada: Ligue 180 ou Disque 100, caso precise de uma intervenção no momento que acontecer, ligue para a Polícia Militar no número 190.

É conversando que a gente se respeita

“Quantas pessoas trans tem aqui?”. Agrippina Candido, artista, professora e travesti lança a pergunta para a roda de conversa,  conduzida pela atriz Juliana Alves e promovida pela campanha Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro. O questionamento, na real, é para toda a sociedade que deve fazer reflexões que levem ao respeito à diversidade e às causas da população LGBTQI+.

Precisamos enfrentar os preconceitos em todas as esferas, sobretudo as básicas, como cuidados com a saúde das mulheres, de todas as mulheres. Essa é a letra dada pela poeta Letícia Brito. Profissionais da área devem investir em saberes que englobam ciência e ampliar conhecimentos sobre direitos humanos. Nenhuma mulher deveria ser atendida de maneira discriminatória. No consultório ginecológico, por exemplo, será que todas se sentem amparadas e atendidas em suas demandas?

“Até que pontos essas violências não interferem na nossa autoestima e no nosso poder de decisão?”, pergunta a atriz Juliana Alves. A resposta leva a vários lugares, a começar pelo ambiente doméstico. A cantora Dona Karol recorda de um episódio que envolveu sua mãe e muitas mulheres não conseguem romper o ciclo da violência. Elas devem ser apoiadas não julgadas. Há vários motivos pelos quais essas mulheres seguem com parceiros, como o sustento dos filhos e delas próprias.

O exercício do diálogo e da escuta é transformador. O entendimento dos nossos direitos e as possibilidades das nossas escolham passam pela informação. Ela é a chave para a transformação que queremos. Dona Lanor, também do grupo Donas, espera que esses debates sobre preconceito e violência cheguem às jovens mulheres, presencialmente ou via internet, em ambientes de maior vulnerabilidade, como as favelas, comunidades e periferias. Dê o play no vídeo, reúna as amigas, apoie todas as mulheres! Vamos juntas!

Em caso de violência, a quem devo recorrer?

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência – Ligue 180 – Serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato). O canal é oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas desde 2005.

Delegacia da Mulher – Concentram-se principalmente em grandes cidades, mas vale a pena se informar se há unidades em seu município.

Centros de Referência e/ou Cidadania – Em muitos municípios há centros de referência que atendem mulheres em situação de violência. Algumas têm acolhimento especialmente desenvolvido para mulheres trans. Os nomes dos equipamentos podem variar de acordo com o localidade. Procure saber como é onde você mora.