Papo aberto: respondendo a dúvidas sobre métodos contraceptivos, ISTs e mais

Perguntas, conversas e um diálogo próximo fazem da campanha Ela Decide um espaço para jovens entenderem melhor sobre seus corpos, seus direitos e a eficácia de métodos contraceptivos. Confira respostas para algumas das dúvidas que recebemos

Desde que teve início a campanha Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro, muitas mulheres jovens tiveram a possibilidade de se informar sobre seus corpos, seus direitos sexuais e seus direitos reprodutivos. Mais ainda: a iniciativa abriu espaço para que muitas dúvidas fossem trazidas à tona.

Separamos perguntas  feitas por mulheres que entraram na conversa e querem saber como reagem seus corpos, quais são os seus direitos e como usar melhor os métodos contraceptivos.

A pílula: um método contraceptivo popular, mas cercado de perguntas

Algumas mulheres se questionam sobre como começar a tomar a pílula, se precisam ir mesmo à ginecologista. Veja as respostas esclarecedoras que a ginecologista e obstetra Albertina Duarte Takiuti concedeu à Ela Decide.  

Pergunta: Posso começar a usar pílula por conta própria?

Dra Albertina:O ideal é que uma consulta seja feita. Porque se a adolescente tiver pressão alta, diabetes ou até anemia, é recomendado um outro tipo de anticoncepcional. Mas tomar uma dosagem baixa de método anticoncepcional é melhor do que ela tomar pílula do dia seguinte. O ideal é que ela tenha uma consulta, que ela veja como está sua pressão, seu coração, se ela não tem anemia, não é diabética e se não há nenhum problema de circulação. Assim ela garante o melhor uso do anticoncepcional. Receitar ou usar a receita da amiga é uma furada.

Pergunta: Quando a pílula começa a fazer efeito?

Dra Albertina: Sempre depois do primeiro mês. Mas se você se atrapalhar, precisa ser o finzinho da cartela. Se tiver faltando 3 ou 4 dias, já fez efeito. Mas, o ideal mesmo é após o primeiro mês da pílula.

Pergunta: Quais são os remédios que podem prejudicar o efeito da pilula?

Dra Albertina: Antibióticos, calmantes, remédios para epilepsia e até remédios para hipertensão.

Pergunta: Esqueci de tomar a pílula um dia. Posso engravidar?

Dra Albertina: Se você esquecer um dia, você pode menstruar e pode engravidar. Então, se você deixar um dia, no dia seguinte, de manhã, já tome uma. E continue tomando. Mas é bom que use preservativo sempre. Quando você esquecer de tomar pílula, fique esperta! Use preservativo até o fim da cartela.

Pergunta: Qual a diferença da micro pílula pra pílula normal?

Dra Albertina: A micro pílula é uma dose só de progesterona. Não é que ela seja micro, é que ela é feita só de um hormônio, a progesterona. Geralmente, a gente usa em alguns casos após a amamentação, ou quando adolescentes não podem tomar o estrógeno, por exemplo, em casos de problemas cardíacos ou diabetes. Tem anticoncepcional que é um combinado de estrógeno e progesterona, e há outro tipo que é feito só de progesterona, essa é a principal diferença entre elas.

Pergunta: Usar um contraceptivo por muito tempo pode levar à infertilidade?

Dra Albertina: Não, não vai levar à infertilidade. Hoje as dosagens das pílulas que estão no mercado são muito boas, então a adolescente pode usar por 10, 15 anos. E quando parar, cuidado, ela pode engravidar, sim. Então esse mito da infertilidade não é verdade, porque a maioria das pílulas vendidas, parando um mês, a mulher pode engravidar no mês seguinte.

E os métodos contraceptivos modernos como DIU e implantes?

Algumas dúvidas sobre DIU de cobre, DIU hormonal, a influência do(a) parceiro(a) na decisão do uso desses métodos contraceptivos apareceram em nossas redes sociais também. Sobre esses temas, procuramos a docente da Escola de Enfermagem da USP Ana Luiza Vilela Borges.

Pergunta: Há idade mínima pra colocar o DIU?

Ana Luiza: Tanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto o próprio Ministério da Saúde definem que a idade mínima para colocar o DIU de cobre é a partir da menarca (primeira menstruação). Então, não há uma idade mínima estabelecida. As duas instituições deixam bem claro que é a partir da menarca. Se for o sistema intrauterino, chamado DIU hormonal de levonogestrel, aí ele entra nos critérios para o uso de métodos hormonais. Se for a base de estrogênio, pode comprometer a densidade óssea na adolescência, então depende da dosagem, e passa a ter um critério mais específico.

Pergunta: Posso usar DIU e pílula ao mesmo tempo?

Ana Luiza: A eficácia do DIU é maior que a da pílula. A do DIU hormonal e do implante, que são hormonais, chegam a se equiparar à dos métodos irreversíveis (ou dos métodos permanentes) que são a vasectomia e a laqueadura. Então, na verdade, quando você coloca o DIU, você não precisa usar nenhum outro método para proteger da gravidez. Você pode usar camisinha para se proteger das Infecções Sexualmente Transmissíveis.

Pergunta: Há contraindicação para o uso do DIU de cobre?

Ana Luiza: O DIU de cobre pode provocar muito mais sangramento durante a menstruação e muito mais cólica menstrual. Então, por exemplo, para as mulheres que já têm esse relato de cólica, é necessário se perguntar: “você está disposta a usar um método que pode aumentar sua cólica, pode aumentar seu sangramento menstrual?”. Então, ele tem a contra indicação, por exemplo, em casos de mulheres com anemias graves, você não vai colocar o DIU de cobre porque ele pode aumentar os sangramentos.

Pergunta: É verdade que o DIU pode levar a um câncer do útero ou à infertilidade?

Ana Luiza: Não tem nenhuma evidência de que o DIU dá câncer, nem outros tipos de DIU, nem provoca infertilidade. Não tem nenhuma evidência científica.

Pergunta: Posso colocar um implante subdérmico ou DIU de hormônio pelo SUS?

Ana Luiza: Algumas prefeituras disponibilizaram para populações muito específicas, por exemplo, mulheres que são usuárias de drogas, ou adolescentes que estão ali na segunda ou terceira gravidez, para evitar essa repetição da gravidez na adolescência. Mas são algumas prefeituras que investiram nisso para populações muito específicas. Em uma unidade básica normal, tradicional, eles não estão disponíveis.

Pergunta: Preciso de autorização do parceiro para usar um método contraceptivo?

Ana Luiza: Para laqueadura e vasectomia, existem especificações que são da Lei do Planejamento Familiar, de 1996,  e o principal deles é ter, no mínimo, 25 anos ou 2 filhos. E aí a lei coloca que precisa da autorização do parceiro. Isso também é bastante controverso, mas a lei diz que sim.

Na questão do DIU,  existe um termo de consentimento em que a mulher é informada de como é o procedimento e que pode haver falhas. Como todos os demais métodos contraceptivos, é um método muito eficaz, mas também tem falha. Para por o DIU, ela não necessita de autorização do parceiro, não tem idade mínima nem máxima e não há nada previsto quanto ao número mínimo de filhos: uma nulípara pode colocar o DIU, sim.

Tirando dúvidas adicionais: ida à ginecologista, como usar camisinha e falha nos métodos contraceptivos

Tanto a Dra Albertina quanto a docente Ana Luiza responderam a outras perguntas que não eram exatamente sobre a pílula ou o DIU. Elas falaram sobre a ida à ginecologista pela primeira vez, sobre laqueadura e sobre a taxa de falha de métodos contraceptivos.

Pergunta: Tenho menos de 18 anos. Posso ir sozinha a uma consulta ginecológica?

Dra Albertina: Pode. Existe uma legislação que permite que a adolescente possa ir. E que o sigilo só vai ser rompido se houver risco de morte e, mesmo assim, avisado à adolescente.

Pergunta: Posso fazer laqueadura mesmo sem ter filhos?

Dra Albertina: Essa é uma grande discussão. Em alguns casos, quando há problemas de saúde, problemas de doenças, ainda assim é uma grande discussão. A mulher tem o direito de planejar o seu número de filhos, de ter os filhos que quiser, ou de não ter nenhum. Então, essa é uma discussão que precisa ser cada vez mais feita. Por enquanto, é muito difícil que uma mulher sem estar doente, só por decisão de não querer ter filhos, possa fazer uma laqueadura.

Pergunta: Posso engravidar usando métodos contraceptivos?

Ana Luiza: Não existe nenhum método contraceptivo que seja 100% eficaz. Sempre tem uma taxa de falha. As menores taxas de falha estão justamente no DIU, no implante subdérmico e nos métodos permanentes (vasectomia para os homens e laqueadura para as mulheres).

Pergunta: Quando usar a camisinha feminina, devo usar a masculina também?

Ana Luiza: Não. Não deve usar, de forma alguma. Nem pode nem deve, porque o látex (da camisinha masculina) não suporta o poliuretano, que é o material que é usado na camisinha feminina. Então, nessa fricção pode haver a ruptura da borracha da camisinha.Não pode, não deve e nemé necessário: se for bem usado, basta um deles.

Você já se fez alguma dessas perguntas? Algumas das mulheres que você conhece têm esses ou outros questionamentos sobre qualquer tema relacionado aos direitos sexuais e reprodutivos da mulher e a relação com o próprio corpo? Lembre-se sempre: esse espaço para esclarecer dúvidas é seu. Você não está sozinha. Compartilhe. #Ela Decide

 

Você também pode gostar de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *