Planejamento Familiar

Gabi Oliveira, youtuber do Canal De Pretas, conduz a roda de conversa com jovens mulheres, promovida pela campanha Ela Decide Seu Presente e Seu Futuro. O tema do papo é planejamento familiar: quando ter filhos? quantos filhos ter? será que todas nós temos acesso à informação e ao diálogo?

O desafio passa pelo parceiro ou parceira. “Seja saúde reprodutiva, seja saúde pensada de modo global, os homens têm muita dificuldade em lidar com a nossa imposição”, afirma Dani Balbi, doutora em Ciência da Literatura. Afinal, é a mulher que ainda vai arcar, numa sociedade como a nossa, com maiores responsabilidades e, em muitos casos, com renúncias como precisar abandonar estudos ou ficar temporariamente fora do mercado de trabalho. 

Roda de conversa sobre saúde sexual e empoderamento feminino da campanha Ela decide, mediada pela influenciadora Gabi Oliveira. Rio de Janeiro. Foto: Valda Nogueira/UNFPA

Dona Karol, do grupo Donas, lembra de uma amiga que está grávida do quarto filho. A maternidade aconteceu precocemente e a jovem mãe, de acordo com ela, não se sente acolhida pela própria família e segue sem acesso aos métodos contraceptivos disponíveis para auxiliá-la no planejamento. 

Poder conversar em casa e ter aulas sobre educação sexual nas escolas. O que parecem medidas simples, nem sempre acontecem na prática. A educadora infantil e doula Magna Domingues reflete sobre essas questões. “Envolve muita vergonha. Eu nunca cheguei para minha mãe e falei: ‘marca uma ginecologista para mim?’ Porque eu poderia ter marcado no posto (de saúde) por exemplo, mas nem passou pela minha cabeça”, completa Gabi Oliveira. 

A médica Marta Rolla lembra que é fundamental que a mulher possa escolher o método anticoncepcional que seja melhor e mais seguro para ela. Além disso, reforça a autonomia que todas precisam alcançar em suas relações. “Saber dizer não na relação: ‘eu não quero ter relação com você’”. Juntas podemos quebrar esses e outros tabus.

Dados do Ministério da Saúde apontam que cerca de 18% dos nascimentos no Brasil são de mães entre 10 e 19 anos. A cada dez crianças que nascem, duas são de mães adolescentes. O índice de gravidez na adolescência do país pode indicar uma dificuldade de acesso a métodos e informações para o planejamento da vida reprodutiva.

Você também pode gostar de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *