Casamento e maternidade

Uma situação que pode ter acontecido com a sua avó, com a sua mãe ou mesmo com você. Nem sempre a maternidade é um desejo da mulher, especialmente quando muito jovem. Algumas abraçam a ideia após se consolidarem em suas carreiras, mas nem todas conseguem se libertar de imposições dos maridos.

“Eu tinha 23 anos, quando casei. Tive filho logo que casei. Eu não queria ter filho, queria ter uma profissão bem sucedida e tal, mas era um desejo dele. Nessa situação, o meu entendimento na época era agradar a esse homem”, conta a poeta Letícia Brito na roda de conversa Ela Decide – Seu Presente e Seu Futuro, conduzida pela atriz Juliana Alves, que também é mãe.

Roda de conversa sobre saúde sexual, casamento e maternidade, mediada pela atriz e influenciadora da campanha Juliana Alves. Foto: Valda Nogueira/UNFPA

Para Anna Cunha, Oficial de Programa do UNFPA, a cobrança da sociedade sobrecarrega o feminino. Um peso que varia conforme o contexto de cada casamento e/ou construção da ideia de família. 

A produtora de conteúdo Adriana Melo lembra do abandono do pai, quando ela tinha apenas nove anos. Por que alguns homens ainda se sentem à vontade para separar-se de suas esposas e incluir os filhos num fim de relacionamento tão definitivo? Qual o reflexo dessa ação para a vida dessas crianças e jovens? 

A média de trabalho é de 7,5 horas a mais que os homens por semana. Em 2015, a jornada total média das mulheres era de 53,6 horas, enquanto a dos homens era de 46,1 horas. Os cuidados com o lar e filhos também se ampliaram. Em 1995, 23% dos domicílios no Brasil tinham mulheres como pessoas de referência. Vinte anos depois, esse número chegou a 40%. 

Essas famílias chefiadas por mulheres não são exclusivamente aquelas nas quais não há a presença masculina: em 34% delas, havia a presença de um cônjuge. Os dados são da pesquisa “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça”, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 

Mesmo assim, quando o pai participa ativamente da criação dos filhos há quem estranhe o fato de ele estar em casa cuidando do bebê quando ela está em algum outro compromisso, seja ele profissional ou social. Vamos quebrar essas barreiras? Com informação, troca de experiências e atitudes podemos transformar essas realidades. Assista ao vídeo e conheça a campanha!

Você também pode gostar de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *